Tristeza – Quando a crianca fala da tristeza.

Tristeza
Tristeza

A tristeza, quando aparece, sempre nos assusta, principalmente porque a mente logo começa a tagarelar dizendo o quanto aquilo pode se prolongar, o quanto podemos ficar ali, tristes para sempre e o quanto deveríamos estar lutando contra aquele sentimento. É assim mesmo: às vezes ficamos tristes. Faz parte da vida, tanto dos adultos quanto das crianças.

Talvez uma mudança de cidade ou país, talvez a morte de um bichinho querido ou mesmo o falecimento de um parente amado, uma briga com um amigo ou por não ter alcançado algo que era tão importante… Ela vem. Com tudo. E nós, adultos, somos exemplo – lembram-se? Somos exemplo também nessa hora! O que fazer com esse sentimento em um mundo que espera tanta alegria de nós? Há espaço para tristeza?

Digo a vocês que abrir esse espaço pode ser bem difícil, mas bastante recompensador. Quando acolhemos, damos colo para a nossa tristeza como para a tristeza dos nossos pequenos – acreditem: aquilo que era dor, profunda dor, se transforma. Podemos viver o aprendizado, a dor que para de doer. Podemos acompanhar gradativamente a caminhada pelo túnel a cada passo do caminho, a cada aconchego oferecido e, logo ali, nos sentiremos melhores. E nossos filhos também.

Como ficamos depois da Tristeza

A boa notícia é que, ao atravessarmos o túnel da tristeza, saímos transformados, mais humanos, com certeza mais sensíveis aos que vivem ao nosso redor e, provavelmente, mais maduros também. Somos capazes de nos ouvir melhor, ouvir o outro melhor e de acolher a nós mesmos e aos próximos de outro lugar. Evitar, fugir da tristeza como tanto nos diz a tagarela da mente, pode parecer uma ótima saída, mas que aprendizado isso nos traz? Nenhum. Repetimos e tornamos a repetir as mesmas histórias e os mesmos sentimentos surgem e os evitamos num ciclo sem fim.

E a tristeza? Ela está ali, sempre esperando ir ao coração até o dia que, como uma onda, nos invade sem que saibamos de onde e não somos mais capazes de nos acolher. A depressão se instala e, essa sim, como que num grande chamado ao coração, nos diz “me acolha, olhe para dentro, preciso de colo”. Talvez se acolhermos e ensinarmos nossos pequenos a acolherem cada tristeza, eles sempre sentirão em seus corações que é ali que encontrarão sua paz.

Com todo meu amor, colo aquecido e muuuuuito carinho

Dani

Posts relacionados

Deixe um comentário

Your email address will not be published.